Associação Brasileira de Tecnologia
para Construção e Mineração

BLOG SOBRATEMA

Publicado em 20 de setembro de 2018 por Mecânica de Comunicação

Transporte e espalhamento de concreto asfáltico são otimizados por meio de simulação virtual

A simulação por meio de sistemas virtuais pode oferecer diversas vantagens quando profissionais trabalham com mineração e serviços específicos da construção civil, como no caso do transporte de concreto asfáltico usinado à quente. O sistema de planejamento e programação, além de contribuir para a competitividade de empresas, ajuda a tornar racional o uso de equipamentos e mão de obra, podendo melhorar a qualidade do serviço e reduzir custos operacionais. A simulação por meio de softwares é determinante para utilizar os equipamentos de forma eficiente, considerando interferências externas que influenciam na produção diária. De uma maneira mais específica, é possível dimensionar o tamanho da frota necessária para o espalhamento de concreto usinado à quente, analisar falhas de equipamentos e possibilidades de períodos de chuvas, permitindo planejar as soluções para os problemas antes que eles ocorram.  
 
                                    Imagem retirada da dissertação
 
 
Os softwares de simulação virtual podem trabalhar com uma série de dados. No caso da pavimentação, as informações variam de acordo com o número de usinas e caminhões disponíveis, técnicas de compressão (convencional ou giratória), quantidades de juntas necessárias, entre outras características. Além de avaliar as condições reais de determinada obra de pavimentação, os softwares são importantes para testar cenários hipotéticos, permitindo que gestores tenham um planejamento mais claro sobre diferentes etapas do trabalho. Além disso, em situações como essas, em que chuvas influenciam diretamente no ritmo de trabalho, o software pode trabalhar com informações em tempo real sobre as condições climáticas e ajudar a estabelecer um cronograma adequado às condições reais.    

Em obras desse tipo, é fundamental conciliar a produção de usinas com a capacidade de trabalho de equipamentos de transporte e da distribuidora. Em caso de falta de caminhões, por exemplo, o trabalho da usina precisa ser interrompido. Por outro lado, dados colhidos por meio de simulações experimentais demonstraram que a partir de uma determinada quantidade de caminhões não há aumento de produtividade ou de viagens, aumentando apenas o tempo em filas e diminuindo o número de ciclos executados por cada caminhão. Algumas soluções, também apoiadas em estudos experimentais, foram propostas, como alterar o horário de funcionamento da distribuidora de concreto asfáltico, de maneira que inicie suas atividades cerca de duas horas após o início de funcionamento da usina, o que aumenta as taxas de ocupação da usina e da distribuidora de concreto asfáltico.  

Mais detalhes estão na dissertação de mestrado Racionalização dos Processos de Produção, Transporte e Espalhamento de Concreto Asfáltico Usinado à Quente Através de um Modelo de Simulação, de autoria de Adriana Polo Murta Limonta, orientação de Antônio Edésio Jungles e apresentada na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). 
 

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj 401 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP

Telefone (11) 3662-4159 - Fax (11) 3662-2192