Quem Somos

Com mais de 29 anos de atividade, a SOBRATEMA - Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração se dedica a propor soluções para o desenvolvimento tecnológico do setor, difundir o conhecimento e informações, participar da formação, especialização e atualização de profissionais que atuam no mercado brasileiro da construção e da mineração.

A entidade conta com o apoio de mais de 1 mil associados (profissionais e empresas de construção, de locação, fabricantes e prestadores de serviços) e de parceiros estratégicos, que englobam as principais entidades representativas de profissionais no Brasil e no exterior.

Blog da Sobratema

Associação Brasileira de Tecnologia para Equipamentos e Manutenção

PESQUISAR

Publicado em 20 de dezembro de 2017 por Mecânica de Comunicação

Tecnologia do concreto dos antigos romanos é tema de estudo

Pesquisadores da Universidade de Salt Lake City, nos EUA, publicaram resultados de análise do concreto usado pelos antigos romanos. O que chamou a atenção dos estudiosos foi a parte submersa da estrutura de um porto construído há cerca de dois mil anos e que resiste até hoje ao ambiente marítimo.  

O antigo porto de Cosa, na região da Toscana, empregou o concreto proveniente da mistura de cinza vulcânica, cal e água do mar para formar uma argamassa, à qual eram adicionados posteriormente pedaços de rocha vulcânica que serviam como agregados. A reação entre os três ingredientes é chamada de pozolânica, nome derivado da cidade de Pozzuoli, na baía de Nápoles, lugar de origem da cinza empregada pelos romanos no concreto. Outras importantes obras do período aproveitaram a receita, como o Panteão e o Mercado de Trajano.   
 
              Foto: Salt Lake City University 
 

Ao contrário do concreto usado hoje, obtido por meio de ingredientes inertes, no dos antigos romanos aconteciam reações químicas que alteravam a composição da mistura. A equipe da Universidade de Salt Lake City concluiu que a água marinha dissolvia componentes da cinza vulcânica, tal reação química provocava a geração de novos minerais entre a argamassa e os agregados, em particular o mineral tobermorita aluminosa. Esse componente e outros identificados apresentam forma laminar que, intercaladas entre si, reforçam a mistura do concreto e previnem o alargamento de fissuras na superfície.    

O desafio agora enfrentado pelos pesquisadores é reproduzir a receita do concreto romano e descobrir o método preciso de mistura da argamassa marinha. Acontece que, até agora, a tobermorita aluminosa só pode ser sintetizada artificialmente em pequenas quantidades, o que demanda ambiente com alta temperatura, enquanto os romanos a obtinham em temperatura ambiente e em quantidade abundante. O segredo pode estar nas reações de longo prazo provocadas pelo contato entre a água salgada e o concreto. Se essa teoria for correta, os pesquisadores acreditam que a demora nas reações que garantem a resistência pode limitar o uso da tecnologia romana, mas acreditam que pode ser útil em casos particulares como, por exemplo, na barragem projetada para o lago de Swansea, País de Gales, onde o uso do concreto romano foi proposto pelos profissionais americanos.       

Outras novidades a respeito de técnicas e materiais construtivos estão todos os meses na revista Grandes Construções.  
Exibindo 0 Comentários:

Deixe seu comentário:

Nome
E-Mail

Atenção: Os comentários aqui publicados são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores deste blog. A Sobratema reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar caluniosos, difamatórios, ofensivos ou preconceituosos, assim como, textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação de seu autor (nome completo e endereço válido de e-mail).

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj 401 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP - Telefone (11) 3662-4159 - Fax (11) 3662-2192 - sobratema@sobratema.org.br

Loading