Quem Somos

Com mais de 29 anos de atividade, a SOBRATEMA - Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração se dedica a propor soluções para o desenvolvimento tecnológico do setor, difundir o conhecimento e informações, participar da formação, especialização e atualização de profissionais que atuam no mercado brasileiro da construção e da mineração.

A entidade conta com o apoio de mais de 1 mil associados (profissionais e empresas de construção, de locação, fabricantes e prestadores de serviços) e de parceiros estratégicos, que englobam as principais entidades representativas de profissionais no Brasil e no exterior.

Blog da Sobratema

Associação Brasileira de Tecnologia para Equipamentos e Manutenção

PESQUISAR

Publicado em 18 de abril de 2018 por Mecânica de Comunicação

Obra de Arte Especial exige método eficiente de vistoria

Tendo em vista a importância daquilo designado como Obra de Arte Especial, percebe-se a necessidade de avaliar o estado de conservação desses empreendimentos, por meio de vistorias sistemáticas e regulares. Tal medida minimiza o processo de deterioração, a ocorrência de acidentes graves e até o colapso da estrutura. Não há, entretanto, um consenso sobre os procedimentos específicos para a classificação de pontes, viadutos e outras Obras de Arte. No Brasil, existe o referencial metodológico oferecido pelo Departamento Nacional de Infraestruturas e Transportes (DNIT) e publicado em diversos textos, como o Manual de Inspeção de Pontes Rodoviárias, atualizado pela última vez em 2004.  
 
                  Foto: Revista Grandes Construções 
 
 
O DNIT recomenda que técnicos e engenheiros contribuam para o aperfeiçoamento das técnicas de vistoria, utilizando o manual de maneira crítica. Também colabora na avaliação de Obras de Arte o trabalho de universidades, enquanto produtoras de conhecimento, e ações de entidades setoriais, que promovem o intercâmbio de dados entre profissionais brasileiros e do exterior. Dessa maneira, a comparação entre diferentes métodos de avaliação é inevitável. Por exemplo, o manual do DNIT define cinco tipos de inspeção: cadastral, rotineira, especial, extraordinária e intermediária. Já o COST 345, sistema de classificação usado na Europa, define três princípios: superficial, principal e especial. O COST 345 foi elaborado em 2007 por especialistas de 16 países europeus, lembrando a importância de diferentes experiências no processo de formulação de normas.  

A principal diferença entre os métodos reside na definição do inspetor. Alguns países envolvidos no COST 345, por exemplo, exigem a qualificação formal, enquanto outros exigem apenas experiência prática do profissional. O sétimo capítulo do manual do DNIT, por sua vez, define que o inspetor deve ser um engenheiro diplomado, auxiliado por consultores técnicos. Outro método de vistoria, o norte-americano Bridge Inspector's Reference Manual (BIRM), é mais específico em relação ao avaliador, atribuindo a esse profissional responsabilidade direta sobre a segurança dos usuários de determinada estrutura. O BIRM cita, por exemplo, que o encarregado da vistoria recomende o fechamento de pontes, caso seja necessário.    

O assunto foi estudado na dissertação Avaliação do Estado de Conservação de Pontes, de autoria de Ana Carolina Giovannetti, orientada por Roberto Caldas de Andrade Pinto e defendida na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).    
Exibindo 0 Comentários:

Deixe seu comentário:

Nome
E-Mail

Atenção: Os comentários aqui publicados são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores deste blog. A Sobratema reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar caluniosos, difamatórios, ofensivos ou preconceituosos, assim como, textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação de seu autor (nome completo e endereço válido de e-mail).

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj 401 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP - Telefone (11) 3662-4159 - Fax (11) 3662-2192 - sobratema@sobratema.org.br

Loading