Associação Brasileira de Tecnologia
para Construção e Mineração

Deconcic/FIESP: Queda na construção civil no primeiro trimestre

O Departamento da Indústria da Construção e Mineração (Deconcic) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), realizou no dia 29 de maio, sua quarta reunião plenária de diretoria, onde foram apresentados os indicadores do setor, referentes ao fechamento do primeiro trimestre de 2020. A Sobratema é representada neste grupo pelo vice-presidente Eurimilson Daniel.

Ao abrir a reunião, realizada via videoconferência, o diretor titular do Deconcic, José Romeu Ferraz Neto, lembrou mais uma vez, da importância do decreto que incluiu a construção civil na lista de atividades essenciais, garantindo assim, a manutenção das obras que estavam em andamento. Porém, alertou sobre os impactos que a atual queda nas vendas trará ao setor, que deverão aparecer já no segundo trimestre do ano. 

Ferraz Neto falou ainda, sobre a reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção (Consic) da Fiesp, realizada no dia anterior (28/05), que trouxe para o debate, os impactos da pandemia em cada um dos segmentos da cadeia produtiva da construção, que comprometeram cerca de 50 bilhões de reais em lançamentos imobiliários previstos para o país neste ano de 2020. A Sobratema é representada neste conselho por seu presidente Afonso Mamede.

Na sequência, os participantes foram atualizados sobre as ações recentes da Fiesp e os pleitos atendidos pelo governo, visando minimizar os impactos da pandemia, como a agenda do Presidente da Fiesp, Paulo Skaf, com o Presidente da República, Jair Bolsonaro, realizada no dia 22 de maio, onde foram tratadas questões relacionadas a tributos e crédito.

Celso Petrucci, economista chefe do Sindicato da Habitação (Secovi-SP), apresentou a evolução dos indicadores e perspectivas do mercado imobiliário nacional, que apresentou queda de 69,1% nos lançamentos, na comparação do primeiro trimestre deste ano, com o trimestre anterior. Nesta mesma base de comparação, houve queda 27,2% nas vendas e de 2,5% na oferta final de imóveis. A representatividade dos lançamentos do MCMV no período foi de 57% sobre o total de imóveis lançados e de 55,6% nas vendas.

Com relação ao preço dos imóveis novos, Petrucci entende que não haverá queda, mantendo-se como um bom investimento no médio e longo prazo.

Presente no encontro, o vereador José Police Neto, apresentou o plano emergencial de ativação econômica – PL 217/2020 de sua autoria. São premissas do projeto a proteção da atividade econômica, manutenção e geração de emprego, desburocratização e incentivos públicos de caráter temporário.

Os principais pontos de interesse da construção são a prorrogação dos alvarás de obras em até 180 dias, parcelamento da outorga onerosa pelo empreendedor até a emissão do Habite-se, desconto de 50% da outorga onerosa para todos os empreendedores que se comprometam a iniciar obras nos próximos 12 a 36 meses e isenção de ITBI para os adquirentes de imóveis novos de até R$ 750.000,00.

Fernando Garcia, consultor do Deconcic, apresentou a evolução do mercado da construção civil em 2020, que observou uma queda de 6,5% na quantidade de pessoas ocupadas e uma queda no PIB do segmento de 6,7% na comparação do primeiro trimestre de 2020, com o trimestre imediatamente anterior. O Estado de São Paulo apresentou um desempenho melhor, o número de pessoas ocupadas caiu 0,1% na mesma base de comparação.

Apresentações realizadas na reunião:

– Indicadores imobiliários nacionais, acesse aqui
Celso Petrucci, Economista-Chefe do Secovi-SP e Vice-Presidente da Indústria Imobiliária da CBIC

– Plano Emergencial de Ativação Econômica, acesse aqui
Vereador José Police Neto (Câmara Municipal de São Paulo)

– Evolução do mercado da construção civil em 2020, acesse aqui
Fernando Garcia de Freitas, Consultor da Ex Ante Consultoria Econômica

Com informações do Observatório da Construção 
Foto: Revista M&T

}