Associação Brasileira de Tecnologia
para Construção e Mineração

Sobratema participa de reunião do Deconcic sobre construção pesada e crédito

No final de junho, mais de 50 representantes da cadeia produtiva da construção participaram da reunião plenária virtual do Departamento da Indústria da Construção e Mineração (Deconcic) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). A Sobratema é representada nesta diretoria pelo vice-presidente Eurimilson Daniel.

Conduzida pelo diretor titular, José Romeu Ferraz Neto, a reunião  trouxe como pauta, o setor da construção pesada em tempos de pandemia, as ações e linhas de crédito governamentais e privadas para o enfrentamento da crise e as ações realizadas pelo Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo (Seconci-SP), em prol das empresas e funcionários da construção.

Haruo Ishikawa, presidente do Seconci-SP, falou sobre o papel e contribuições dessa instituição em meio a pandemia da Covid-19. Campanhas para conscientização e divulgação de ações para o enfrentamento e combate a disseminação, cuidados com a saúde bucal, saúde emocional, realização de pesquisas e início da aplicação dos testes sorológicos (teste rápido) são exemplos dessas ações.

Na sequência Filemon Lima, gerente do Deconcic, falou sobre as ações recentes da FIESP e pleitos atendidos pelo governo, visando minimizar os impactos da Covid-19. Foi destacada a aprovação do Projeto de Lei 4.162/2019, pelo Senado Federal, no dia 24/06, para criação do novo Marco Legal do Saneamento Básico e também a realização do Workshop entre o Ministério do Desenvolvimento Regional, Fiesp, Abnt, Abcp e Anamaco, no âmbito do Acordo de Cooperação Técnica para transferência de conhecimento, visando a mobilidade urbana sustentável nas cidades.

Newton Cavalieri, diretor titular adjunto do Deconcic e representante do Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado de São Paulo (Sinicesp), apresentou a situação atual do setor, em meio a pandemia. A pesquisa realizada pelo Sindicado junto aos seus associados, comprovou o baixo índice de contaminação. Apenas 18 funcionários, em um universo de 20 mil, foram infectados pelo vírus e sem nenhum óbito.

A maior parte das empresas do setor, experimentaram alguma queda em suas atividades, decorrente do atual momento. Porém, a maioria não apurou prejuízo. Diante desse cenário e pelas características de ser um grande gerador de empregos, Cavalieri falou que o setor está pronto para atuar, de imediato, como um propulsor para a retomada da economia.

O país necessita melhorar seu estoque de infraestrutura, existem bons projetos que precisam ser destravados, o setor está preparado, disse Cavalieri, que comemorou a aprovação do novo Marco do Saneamento, que trará segurança jurídica para novos investimentos.

Por fim, José Roberto Damaceno, da Fiesp, apresentou as ações e linhas de crédito governamentais e privadas para auxiliar as empresas no enfrentarem da crise. Pesquisa realizada em abril, apontou para uma grande dificuldade das empresas, em especial, relacionadas ao estrangulamento do fluxo de caixa e 43% delas buscam crédito para capital de giro. Algumas ações governamentais parecem surtir efeitos, como a liberação de liquidez e capital, redução do spread para o capital de giro, prorrogação de vencimento de dívidas bancárias e suspensão de CNDs.

Informações de Observatório da Construção

}